Fantasia Sexual

Uma das ilustrações de Édouard-Henri Avril para De Figuris Veneris.
Ele retrata um macho se masturbando enquanto fantasia sexualmente.

 "As fantasias sexuais nascem, assim como os sonhos, nascem da história pessoal de cada pessoa, da vivência, da experiência sexual e de outras formas, que ninguém deve condenar, porque é algo natural que faz parte da vida do ser humano." (Goldenson & Anderson, 1989, p. 107)
Os desejos sexuais que tem origem no imaginário são chamados de Fantasia Sexual ou Fantasia Erótica – aqui chamaremos simplesmente de Fantasia , são reflexos de experiências de vida e representam nossos sentimentos mais profundos. Assim como os sonhos, não podemos escolher o que desperta nossa Fantasia, procuramos apenas compreender para escolher o que faremos. Basicamente, a Fantasia é uma forma de compensação psicológica que busca satisfazer nossos anseios, provenientes do subconsciente. Pressupondo então, que não temos controle sobre o que sonhamos e sentimos, não cabe julgar se uma Fantasia é boa ou ruim. Contudo, se você se sente impelido à colocá-la em prática, dependendo das características e consequências que ela pode causar na sua vida ou na vida de outras pessoas, então a Fantasia pode ser classificada como desvio (distorção ou torção) do comportamento sexual normativo; ou até mesmo uma patologia sexual. 

O ponto principal a ser observado é se os desejos ou práticas estão causando sofrimento a você ou a outras pessoas. Porém, não confunda um sofrimento aparente com um sofrimento legítimo. Por exemplo: O fato de um familiar ou amigo "sofrer" por uma pessoa ser homossexual, não é a mesma coisa que uma criança SOFRER por ser abusada sexualmente por um pedófilo. Com base nesse exemplo, poderíamos dizer que homossexualidade é apenas um desvio do comportamento sexual normativo (tradicional e conservador) enquanto que a pedofilia é uma patologia sexual, ou seja, além de uma doença mental, também é um crime. Todas as pessoas devem ter liberdade para ser o que são, independentemente do desconforto que isso pode causar a outras pessoas. Mas daí vem aquela máxima: "A sua liberdade termina quando começa a liberdade do outro." Porém, nem sempre é tão simples distinguir uma coisa da outra. Pois existem diversos fatores que podem influenciar na maneira como uma pessoa se sente diante de seus desejos: Características biológicas; contexto social/ político/ religioso; família; histórico de vida, etc.

Por isso, a ideia central do assunto que estamos apresentando é...
Se você tem um sofrimento legítimo, ou causa sofrimento a outras pessoas, procure a orientação de um psicólogo. Por outro lado, se você se sente bem com seus desejos e não causa sofrimento legítimo a ninguém, então não se sinta culpado ou constrangido(a) por ser quem você é. Siga em frente e seja feliz!

Comentários

  1. Muito inteligente e verdadeiro é muito importante fazer uqúe gostamos. É muito prazeroso expor nossa vontade .

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas